Clique para iniciar

OBESIDADE

É uma doença crônica caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura em relação a massa magra e está associada a mais de 195 complicações. ¹ ² ³

Obesidade, SOP e Infertilidade: Quem vem primeiro?

Luciano de Melo Pompei
CRM – SP 76054

SÍNDROME DOS OVÁRIOS POLICÍSTICOS

Das pacientes com SOP, entre 43% e 46% possuem obesidade, e até 75% podem apresentar IMC maior ou igual a 25 kg/m². ⁴ ⁵

Câncer de Mama: A interferência da obesidade no diagnóstico e na recidiva 

Fabrício Palermo Brenelli
CRM – SP 102340

INFERTILIDADE

Nas mulheres em idade reprodutiva, o excesso de peso e a obesidade dificultam a concepção e aumentam o risco para abortamentos e complicações periparto. ⁶ ⁷

Síndrome Metabólica na transição menopausal

Maria Celeste Osório Wender
CRM – RS 14578

CÂNCER

Estudos mostram que a manutenção de peso adequado pode prevenir alguns tipos de tumores associados a obesidade e suas recidivas. ⁸ ⁹ ¹⁰

CLIMATÉRIO

Durante a transição menopausal, há aumento da massa de gordura e redução da massa muscular com redistribuição maior da gordura para a região abdominal. ¹¹ ¹²

Os benefícios de Saxenda para sua paciente

Uma perda de peso modesta já pode fazer uma grande diferença na qualidade de vida do paciente. ¹³ ¹⁴

PERDA DE PESO DE 5% OU MAIS:

Reduz

O risco de diabetes tipo 2 ¹⁵

Fatores de risco cardiovasculares ¹⁶

Gordura visceral ¹⁷

o risco de transtornos obstétricos e metabólicos durante a gestação e no período pos-parto ¹⁸ ¹⁹ ²⁰ ²¹

Melhora

perfil lipídico ¹⁷

qualidade de vida relacionada à saúde ¹⁷

pressão arterial ²¹ ²²

dor osteoartrítica ²⁰

severidade da apneia obstrutiva do sono ²³

As chances de gravidez tanto pelo processo natural de fecundação quanto pelas técnicas de reprodução assistida ¹⁹

segurança cardiovascular

É seguro para pacientes com alto risco cardiovascular.⁵

interação medicamentosa

*Não usar concomitantemente com I-DPP4 ou outro análogo de GLP1.¹ É possível ajuste de dose para sulfonilureias ou insulinas.

Saxenda® – Informações resumidas

Saxenda® (liraglutida). Indicação: Adultos: é indicado em associação a uma dieta hipocalórica e aumento do exercício físico para controle crônico de peso em adultos com Índice de Massa Corporal (IMC) de: 30 kg/m2 ou maior (obesidade) ou, 27 kg/m2 ou maior (sobrepeso) na presença de pelo menos uma comorbidade relacionada ao peso, como disglicemia (pré-diabetes e diabetes mellitus tipo 2), hipertensão arterial, dislipidemia ou apneia obstrutiva do sono. Adolescentes: Saxenda® pode ser utilizado em associação a aconselhamento de nutrição saudável e atividade física para controle de peso em adolescentes a partir de 12 anos com peso corporal acima de 60 kg e obesidade. Uso adulto e pediátrico acima de 12 anos. Contraindicações: hipersensibilidade à liraglutida ou a qualquer excipiente. Advertências e Precauções: Saxenda® não está indicado no tratamento da diabetes mellitus tipo 2. A segurança e eficácia do Saxenda® em combinação com outros produtos destinados à perda de peso, incluindo medicamentos prescritos, medicamentos vendidos sem receita e preparações à base de plantas, não foram estabelecidos. Não há experiência clínica em pacientes com insuficiência cardíaca congestiva NYHA (New York Heart Association) classe IV, portanto não é recomendado o uso de Saxenda® nesses pacientes. A segurança e eficácia de liraglutida para controle de peso ainda não foi estabelecida nos seguintes pacientes: com 75 anos ou mais; tratados com outros medicamentos para controle de peso; com obesidade secundária a doença endócrina, distúrbios alimentares ou em tratamento com outros medicamentos que podem causar ganho de peso; com insuficiência renal grave; com insuficiência hepática grave. Pancreatite: foi observada pancreatite aguda com o uso de agonistas do receptor de GLP-1. Se houver suspeita de pancreatite, Saxenda® deve ser descontinuado. Na ausência de outros sinais e sintomas de pancreatite aguda, a isolada elevação das enzimas pancreáticas não é preditiva de pancreatite aguda. Colelitíase e Colecistite: foi observada uma taxa mais elevada de colelitíase e colecistite em pacientes tratados com liraglutida do que nos pacientes tratados com placebo. Frequência cardíaca: um aumento na frequência cardíaca foi observado nos estudos clínicos. Em pacientes que apresentam frequência cardíaca aumentada em repouso, relevante e clinicamente sustentada, o tratamento com Saxenda® deve ser descontinuado. Desidratação: pacientes tratados com Saxenda® devem ser aconselhados sobre o risco potencial de desidratação devido aos efeitos colaterais gastrointestinais e tomar precauções para evitar a depleção de líquido. Hiperglicemia em pacientes com diabetes mellitus tratados com insulina: em pacientes com diabetes mellitus, Saxenda® não deve ser utilizado como substituto de insulina. Cetoacidose diabética foi relatada em pacientes dependentes de insulina após rápida descontinuação ou redução da dose de insulina. Fertilidade: além de uma ligeira diminuição no número de implantes vivos, estudo em animais não indicaram efeitos nocivos em relação a fertilidade. Gravidez: este medicamento é contraindicado em mulheres grávidas. Se uma paciente desejar engravidar ou engravidar, o tratamento com Saxenda® deve ser descontinuado. Amamentação: devido à falta de experiência, Saxenda® não deve ser usado durante a amamentação. Interações medicamentosas: o pequeno prolongamento do esvaziamento gástrico causado pela liraglutida pode afetar a absorção de medicamentos orais administrados concomitantemente. Varfarina e outros derivados cumarínicos: uma interação não pode ser excluída, e é recomendado um monitoramento mais frequente da INR (razão normalizada internacional). Não é necessário fazer ajuste de dose dos seguintes medicamentos, quando em uso concomitante com a liraglutida: paracetamol, atorvastatina, griseofulvina, digoxina, lisinopril e contraceptivos orais. Posologia: A dose inicial é de 0,6 mg uma vez ao dia e deve ser aumentada em incrementos de 0,6 mg com intervalos de pelo menos uma semana para melhorar a tolerabilidade gastrointestinal até a dose de 3,0 mg uma vez ao dia. Se o escalonamento para a próxima dose não for tolerado por 2 semanas consecutivas, considere descontinuar o tratamento. Doses diárias maiores que 3,0 mg não são recomendadas. O tratamento com Saxenda® deve ser descontinuado após 12 semanas de tratamento na dose de 3,0 mg/dia se o paciente não apresentar perda ponderal ≥ 5% do peso inicial. Saxenda® não deve ser utilizado em combinação com outro agonista do receptor de GLP-1 (como, por exemplo, liraglutida (Victoza®), lixisenatida e dulaglutida). Ao iniciar o tratamento com Saxenda®, considerar reduzir a dose de insulina administrada concomitantemente ou de secretagogos de insulina (como sulfonilureias) para reduzir o risco de hipoglicemia. O automonitoramento da glicemia é necessário para ajustar a dose de insulina ou de secretagogos de insulina. Para adolescentes com idade entre 12 anos e 18 anos e acima de 60 kg, um cronograma similar ao de adultos para escalonamento da dose deve ser utilizado. A dose deve ser aumentada até 3,0 mg (dose de manutenção) ou até a dose máxima tolerada tiver sido atingida. A segurança e eficácia em crianças e adolescentes abaixo de 12 anos de idade não foi estabelecida. Saxenda® não é recomendado para uso em crianças abaixo de 12 anos de idade ou em adolescentes (entre 12 e 18 anos) com peso corporal igual ou abaixo de 60 kg devido à falta de dados. Reações adversas: relatadas por adultos: náusea, vômito, diarreia, constipação, boca seca, dispepsia, gastrite, doença do refluxo gastroesofágico, dor abdominal superior, flatulência, eructação, distensão abdominal, pancreatite, atraso no esvaziamento gástrico, hipoglicemia, desidratação, reações no local de aplicação, astenia, fadiga, mal-estar, colelitíase, colecistite, tontura, disgeusia, urticária, taquicardia, insuficiência renal aguda, comprometimento renal, reação anafilática, insônia e aumento de lipase e amilase. Em geral, a frequência, o tipo e a gravidade das reações adversas em adolescentes com obesidade foram comparáveis ao observado na população adulta. Vômito ocorreu com uma frequência 2 vezes maior em adolescentes em comparação com adultos. Nenhum efeito no crescimento ou no desenvolvimento puberal foi encontrado. (Ref. interna V.08)

A persistirem os sintomas, o médico deverá ser consultado. VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA. Registro MS: 1.1766.0032 Para informações completas, vide bula do medicamento.

Este medicamento não deve ser utilizado em caso de hipersensibilidade à liraglutida ou qualquer um de seus excipientes. No uso simultâneo de liraglutida com varfarina e outros derivados cumarínicos é recomendado um monitoramento mais frequente da INR. 

Este medicamento deve ter o uso descontinuado durante a gestação e amamentação.

1. Bray GA, Kim KK, Wilding JPH; on behalf of the World Obesity Federation. Obesity: a chronic relapsing progressive disease process. A position statement of the World Obesity Federation. Obes Rev. 2017;18(7):715-723. 2. Frühbeck G, Sbraccia P, Nisoli E, et al. 2015 Milan Declaration: a call to action on obesity – an EASO position statement on the occasion of the 2015 EXPO. Obes Facts. 2016;9(4):296-298.  3. World Health Organization. Obesity and overweight. Fact sheet. Available at: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs311/en/#. 2018. Accessed July, 2018. 4. Soares EM, Azevedo GD, Gadelha RG, et al. Prevalence of the metabolic syndrome and its components in Brazilian women with polycystic ovary syndrome. Fertil Steril. 2008 Mar;89(3):649-55. 5. Marcondes JA, Hayashida SA,Barcellos CR, et al. Metabolic syndrome in women with polycystic ovary syndrome: prevalence, characteristics and predictors. Arq Bras Endocrinol Metabol. 2007 Aug;51(6):972-9. 6. Best D, Bhattacharya S. Obesity and fertility. Horm Mol Biol Clin Investig. 2015 Oct;24(1):5-10. 7. Broughton DE, Moley KH. Obesity and female infertility: potential mediators of obesity’s impact. Fertil Steril. 2017 Apr;107(4):840-7. 8. Yuen M, Earle R, Kdambi N, et al. A systematic review and evaluation of current evidence reveals 195 obesity-associated disorders (OBAD). Abstract presented at: Obesity Week, November 2, 2016; New Orleans, Louisiana. Abstract T-P-3166.  9. Centers for Disease Control and Prevention. Cancers associated with overweight and obesity make up 40 percent of cancers diagnosed in the United States. Centers for Disease Control and Prevention website https://www.cdc.gov/media/releases/2017/p1003-vs-cancer-obesity.html. Published October 2017. Accessed August 29, 2018.  10. Park J, Morley TS, Kim M, et al. Obesity and cancer – mechanisms underlying tumour progression and recurrence. Nat Rev Endocrinol. 2014 Aug;10(8):455-65. 11. Abdulnour J, Doucet E, Brochu M, et al. The effect of the menopausal transition on body composition and cardiometabolic risk factors: a Montreal-Ottawa New Emerging Team group study. Menopause (New York, NY). 2012;19(7):760-767.  12. Yuen M, Earle R, Kadambi B, Brancale J, Lui D, Kahan S, Kaplan LM. Poster T-P-3166: a systematic review and evaluation of current evidence reveals 195 obesity-associated disorders. Poster presented at: the 34th Annual Scienti c Meeting of the Obesity Society; October 31 – November 4, 2016; New Orleans, LA. 2016. 13. Knowler WC, Barrett-Connor E, Fowler SE, et al. Reduction in the incidence of type 2 diabetes with lifestyle intervention or metformin. The New England Journal of Medicine. 2002;346(6):393–403. 14. Foster GD, Borradaile KE, Sanders MH, et al. A randomized study on the effect of weight loss on obstructive sleep apnea among obese patients with type 2 diabetes: the Sleep AHEAD study. Archives of internal medicine. 2009;169(17):1619-1626. 15.   Knowler WC, Barrett-Connor E, Fowler SE, et al. Reduction in the incidence of type 2 diabetes with lifestyle intervention or metformin. The New England Journal of Medicine. 2002;346(6):393–403.  16. Wing RR, Lang W, Wadden TA, et al. Bene ts of modest weight loss in improving cardiovascular risk factors in overweight and obese individuals with type 2 diabetes. Diabetes care. 2011;34(7):1481–1486.1 17.      Best D, Bhattacharya S. Obesity and fertility. Horm Mol Biol Clin Investig. 2015 Oct;24(1):5-10. 18.    . Broughton DE, Moley KH. Obesity and female infertility: potential mediators of obesity’s impact. Fertil Steril. 2017 Apr;107(4):840-7. 19.    . Broughton DE, Moley KH. Obesity and female infertility: potential mediators of obesity’s impact. Fertil Steril. 2017 Apr;107(4):840-7. 20.    . Broughton DE, Moley KH. Obesity and female infertility: potential mediators of obesity’s impact. Fertil Steril. 2017 Apr;107(4):840-7. 21.    . Broughton DE, Moley KH. Obesity and female infertility: potential mediators of obesity’s impact. Fertil Steril. 2017 Apr;107(4):840-7.

® Marca Registrada Novo Nordisk A/S.

© 2021 Novo Nordisk Farmacêutica do Brasil Ltda.

SAC 0800 014 44 88 – www.novonordisk.com.br – BR21SX00031 – julho/2021

Material destinado exclusivamente a profissionais da saúde habilitados a prescrever e/ou dispensar medicamentos.

Este material foi distribuído exclusivamente para você, ficando vedada a distribuição a terceiros.

Realização: